domingo, 9 de setembro de 2007

OlhOs de ressaca

                             cambaLEIO fundo
                     no espelho dos olhos dela 
                      e s.u.s.sURRO:
                   - quem é protegido do amor?
                    [e do próprio amor?]
.
d'um raso-riso imprevisto
desliiizzzaaa o limite do infinito:
...a mulher é a alegria de toda dor...

meus cílios em pêlos varrem os tEUS
pelos [MEUS] olhos de caPITU aTEUS
ARdendo na gARganta da 'ARma'dilha
.
- deus? - é "só" uma ilha
 (a ressaca é apenas um sintoma da solidão)

afogarei ainda ontem a-
manhã
brindANDO c/ a dúVIDA
o "iê iê iê" do meu refrão:

- haverá futuro suficiente?
- (silêncio)
- só se o copo encher dos olhos um mar q mente.

9 comentários:

ilka disse...

Olhe os olhos,.de ressaca.{...}
iê iê iÊ

Menina Má disse...

poema profundo!

ilka disse...

q olhos de resaca....hein....ontem,vc ficou sim,com olhos de ressaca.:)

marcos vinícius disse...

gibran muito inteligente esa poesia genial,lembro q vc falou da ressaca de deus láno trabalho a gente deu foi risada,parabens aê,fui

Lucy Ramos disse...

Gostei muito, mas como você disse, pode despertar interpretações diferentes. Uma das minhas é de que a "mulher" é uma cachaça! (no sentido literal, rsrsrs)
=*

susie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
susie disse...

vícios...amores?, mulheres?, o prazer que os dois podem proporcionar?, juntos?, separados?, sei lá...só conheço o efeito do vicio que vc pode me causar...

Naiara disse...

É Bam, tenho que reconhecer: Drummond ficou pra trás... rsrsssrs Parabéns primo, sucesso!

Bruno disse...

Sua poesia parece entreleçada
com outras poesias
Como os cromossomos

By: Cronos